DE OLHO NA POLÍTICA, por João Henrique Faria

30/07/21 - 14:53

João Henrique Faria é jornalista e consultor político eleitoral e governamental
João Henrique Faria é jornalista e consultor político eleitoral e governamental

João Henrique Faria *
WhatsAPP: (32) 98887-4933

 

MINISTÉRIO DO TRABALHO

Do positivo...
Para um país como o Brasil, com mais de 14 milhões de desempregados e necessitando de políticas públicas voltadas para a geração de emprego e renda, nas três esferas – federal, estadual e municipal -, o retorno do Ministério do Trabalho é uma boa.

Ao negativo...
O problema é que ele retorna não como estratégia de proteção ao trabalhador, mas para gerar emprego para os desabrigados de outros ministérios no Governo de Jair Bolsonaro. Triste.

SEMPRE UMA SURPRESA

Se tem uma coisa que não dá pra cravar é resultado de eleição em Minas Gerais. Há um ano, caso alguém falasse no tema, uma reeleição de Romeu Zema estaria totalmente descartada. Este ano, porém, Zema aparece forte na pesquisa CP2, em especial no interior.
Seu adversário principal, o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil - de forma correta em tempos de pandemia e desastre econômico do país -, está voltando suas preocupações para a capital que administra pela segunda vez consecutiva.
Mas pesquisa eleitoral mostra um momento e Kalil é uma “noiva” cobiçada por dois presidenciáveis - Ciro Gomes e Lula – para uma possível vice.

FLA-FLU NO SENADO

Aqui é Minas, uai! Sim. Mas quando o assunto é polarização política, vira “Fla-Flu”. E para o Senado, que tem uma vaga aberta no próximo ano, a pesquisa da CP2 indica uma disputa entre PT e PSL. De um lado, o deputado federal Reginaldo Lopes (PT) e de outro o ex-ministro e deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PSL) estão à frente neste momento. A corrida promete ficar ainda mais acirrada quando os candidatos à Presidência da República estiverem de fato com o time em campo.

“EU SOU DO CENTRÃO”

E o presidente Jair Bolsonaro continua a sua peregrinação entre o dito e o desdito. Desta vez, a pauta é o Centrão. Na campanha de 2018, criticou o bloco de forma veemente, na linha do antipolítica, coisa que nunca foi, já que ocupava há décadas o cargo de deputado federal, além de colocar filhos e outros parentes na sua tocada, em cargos eletivos.
Agora, com a necessidade de um realinhamento no Congresso Nacional e buscando barrar qualquer possibilidade de abertura de um processo de impeachment, abre as portas da Casa Civil, a alma de qualquer governo, para o senador Ciro Nogueira (PP). Nada mais Centrão que o PP.
Questionado sobre as declarações do passado, Bolsonaro soltou a frase do título acima. Mas não vale a pena repetir.

ALÔ, MAMÃE!

Pois é. Pra quem pensa que Ciro Nogueira deixou o cargo de senador, mais uma excrescência da política brasileira entrou em ação. A sua suplente é Eliane e Silva Nogueira Lima, sua mãe. Houvesse um mínimo de compostura nas regras para as candidaturas e tal situação seria terminantemente proibida.

ESPERANDO GODOT

E seguindo a linha que vem sendo adotada desde a eleição de 2018, a eleição do vale tudo, ninguém, mas ninguém até agora ventilou pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) o impedimento de posse de Ciro Nogueira na Casa Civil. O motivo? Vou deixar o prazer da descoberta à pesquisa dos leitores. 

EM TEMPO

E por fim, a live de quinta do presidente para “provar fraude nas eleições com urna eletrônica” foi mais uma fraude, recheada de crimes de responsabilidade que, claro, não serão levados a lugar algum, muito menos julgados. Seguimos.

* João Henrique Faria é jornalista e consultor político eleitoral e governamental, proprietário da Fator Consultoria.