Morgana Kummer: Junho – Mês da conscientização da Infertilidade

25/06/20 - 16:57

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a infertilidade conjugal atinge 15% da população mundial, ou seja, 1 em cada 5 casais vai enfrentar problemas para terem filhos, precisando de ajuda especializada. 

Na maioria das vezes o problema é de origem feminina e uma pequena parte, masculina.

As principais causas de infertilidade feminina são: endometriose/adenomiose, idade avançada (>35 anos), menopausa precoce, Síndrome dos Ovários Policísticos, Trombofilia, Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide e alterações da anatomia uterina.

 

Já nos homens, a principal causa de infertilidade é a varicocele (varizes na região escrotal), cujo diagnóstico é simples, tanto pelo exame físico quanto pelo ultrassom. Outras causas são a obesidade (redução da motilidade dos espermatozoides), uso de medicações, falência testicular primária, infecções e disfunções hormonais.

Normalmente, a fecundidade (taxa de gravidez por ciclo menstrual) em mulheres entre 20 e 30 anos é cerca de 25%. Depois dos 35 anos, cai para menos de 10%. A partir de 40 anos, a queda da função reprodutiva é enorme. Em alguns casos, o casal faz mil e um exames e está tudo “normal”. Chamamos isso de ISCA – Infertilidade sem causa aparente – e pode atingir entre 10% dos casais inférteis. Dentre os principais exames requeridos pelo especialista em reprodução estão: a quantidade dos óvulos (por exames de sangue: Hormônio Antimülleriano, Hormônio Folículo Estimulante e a contagem de folículos antrais pelo ultrassom), a qualidade dos óvulos (que reduzem com a idade), a regularidade das relações sexuais do casal, investigação de endometriose e adenomiose, a saúde das tubas uterinas (pela histerossalpingografia), a qualidade do sêmen (espermograma com morfologia estrita) e se o homem tem varicocele. 

 

Para mulheres entre 30 e 35 anos que querem adiar a gravidez ainda mais, preservando a fertilidade, é aconselhado fazer o congelamento dos óvulos para melhorarem as taxas de sucesso de uma gravidez após 35 anos. Para isso, deve-se fazer um estímulo ovariano controlado com hormônios e após algumas semanas, colher os óvulos e congelá-los. Após 40 anos de idade, essa técnica já não tem muito sucesso por causa da má qualidade dos óvulos, podendo-se recorrer a óvulos de doadoras.

 

Mesmo com dificuldades, os casais não devem desistir de tentar, pelo contrário, é muito importante que se investigue uma possível causa da infertilidade e não deixar os anos passarem, esperando por um milagre. Acredito sim, que Deus tem um propósito na vida da gente, mas ficar simplesmente esperando, também é inviável.  Se você tem menos de 35 anos e há 1 ano está tentando ou tem mais de 35 e há 6 meses está tentando sem sucesso, pare de “tentar” e procure ajuda. O seu milagre está só te esperando.

 

Dra. Morgana Kummer

Especialista em Ultrassonografia Geral

 “Clínica de Ultrassom Dra. Morgana Kummer”

(31) 3177.0212 e (31) 9 9391.0212

http://dramorgana.com.br