Transtorno do Espectro Autista (TEA)

01/04/21 - 10:31

Dra. Soraia Moura Goulart

O dia 2 de abril é a data escolhida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em comemoração ao Dia Mundial da Conscientização do Autismo. Celebrada desde 2008, tem o intuito de informar a população e, assim, reduzir a discriminação e o preconceito sobre esse transtorno.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Transtorno do Espectro Autista (TEA) atinge cerca de 70 milhões de pessoas no mundo e estima- se que no Brasil possua cerca de 2 milhões de autistas. A grande prevalência e a desinformação sobre o assunto tornam urgente abordar mais sobre o tema, suas principais características e a importância do diagnóstico precoce.

• O que é Autismo?

imagemDe acordo com o DSM-5 (Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) o Autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades de interação social, comunicação e comportamentos repetitivos e restritos. O Autismo infantil engloba uma série de aspectos do desenvolvimento infantil que se manifestam em maior ou menor grau de acometimento – e, por isso, utiliza-se o termo: espectro. Suas causas são variadas e podem incluir: fatores genéticos, infecções durante a gravidez da mãe, complicações no parto e prematuridade.

• As principais características nas crianças com TEA são:
- Comportamento: Repetitivo, manifestado por movimentos, falas e manipulação de objetos de forma repetitiva e/ ou estereotipada. Dificuldade em aceitar mudanças. Interesse restrito em temas e brinquedos específicos. Associado a hiper ou hipoatividade a estímulos sensoriais (como barulhos, ruídos, luzes).

- Déficit na comunicação social ou interação social como: nas linguagens verbal ou não verbal e na reciprocidade socioemocional. 

É importante ressaltar que algumas crianças com TEA podem, após uma fase inicial de normalidade na aquisição da fala evoluir com redução da fala como: perda da fala de palavras já aprendidas, repetições de termos sem necessidade e sem função social e aparecimento de palavras sem significado e impróprios no cotidiano. Outras, podem ter atraso severo de fala (palavras mal articuladas, repetições de termos e pouca evolução do vocabulário); e algumas apresentam o não desenvolvimento da fala chamadas de “não verbais”.

• Diagnóstico:
O diagnóstico do TEA é clínico e deve ser feito por profissionais especializados através da observação da criança, conversa com pais, familiares e educadores.
É importante salientar que o desenvolvimento infantil consiste na construção, aquisição e interação de novas habilidades. Estas são resultado da plasticidade cerebral (remodelação cerebral). O desenvolvimento infantil e plasticidade cerebral são maiores nos primeiros anos de vida. Assim, quando mais precoce o diagnóstico, maior a possibilidade do cérebro responder, devido sua velocidade de formação das redes neuronais (plasticidade cerebral), logo haverá maior possibilidade de formar novas conexões referentes à habilidade almejada.

imagem