Ciclo

07/03/22 - 10:39

Élida Gontijo

Ontem fechei um ciclo e iniciei outro. Primeira coisa foi agradecer a Deus o dom da minha vida. Sou muito feliz por chegar até aqui com tão grande aprendizado, já atravessei diversos obstáculos e ainda atravesso, mas sempre impulsionada ou mesmo carregada por meus protetores maiores : Divino Espírito Santo e Nossa Senhora.

Percebo algumas marcas de expressões em meu rosto, acho que já tenho bem  pés de galinhas próximo aos olhos, mas ainda não chega a ser um galinheiro.  Não escondo minha idade, tenho orgulho de ter 57 anos, bem vividos, ter duas filhas que amo, família, amigos, trabalho, muito mais que mereço. Nessa caminhada conheci tanta gente, uns caminham comigo lado a lado, outros ficaram para trás por diversos motivos, mudaram, crescemos e mudamos o modo de pensar e agir, os objetivos ficaram diferentes, outros partiram antes do combinado e deixaram saudades.

Celebrar a vida  é uma dádiva maravilhosa, mas gosto muito de celebrar os aniversários de quem quero bem, o meu fico um pouco perdida, acho que não fui acostumada a comemorar aniversários, quando mais nova, o máximo era uma comida mais gostosa naquela data. Depois quando fiz quinze anos, usava debutar, minhas amigas a maioria debutou , nunca pensei nisso, mas queria receber minhas amigas em casa mesmo, com um bolinho e a alegria jovem, não tive , meu irmão mais velho parece que percebeu e chamou alguns amigos dele , comprou um bolo, cantamos parabéns! Mas ficou uma lacuna ,me imaginava em volta do bolo com minhas amigas vibrando comigo, agora quando cantam parabéns pra mim , sinto um aperto no coração , não  gosto , prefiro rezar, e ganhar abraços, agora pequenas cotoveladas , por causa da pandemia.

Este ano resolvi ter pequenos momentos com quem amo, precisava celebrar afinal não é aniversário todo dia, ainda bem, caso contrário ficaríamos velhos muito rápido. Na véspera saí com minha irmã , mãe , filhas e sobrinhas, já que algumas não estariam comigo no outro dia, no dia mesmo fui com minhas filhas para Fazenda Silveira, bem pertinho de Funilândia, lugar que indico para todos, uma fazenda muito aconchegante com cara de casa de vó, comida gostosa no fogão a lenha, cheia de animais mansinhos enchendo de pureza o ambiente. Ainda fui à sorveteria com umas colegas de trabalho ou melhor amigas da luta diária e também recebi meu irmão para tomarmos um vinho. Para quem não costuma comemorar foram muitas comemorações que adorei. Não poderia faltar a missa celebrada por Padre Evandro que quase dobra minha idade e todos na igreja riem, melhor presente sua homília e a consagração a Nossa Senhora.

Daqui a não muitos anos serei idosa, mas com espírito de criança, não de jovem, acho que pulei as fases, amo crianças , a pureza, a lealdade, e sigo seus exemplos. Não tenho medo de envelhecer, me preparo a cada dia e se Deus quiser me dar muitos anos de vida com saúde, vou amar. Quero ainda curtir os netos que tenho certeza que ele vai me presentear, ele juntamente com minhas filhas, quero ser avó legítima, já sou avó adotiva de muitas crianças, quero ser aquela vovó que conta histórias, brinca de casinha, carrinho, escreve textos ou mesmo livros infantis dedicados a eles. Fico aguardando o momento , mas já estou preparada.

Então fecho um ciclo , início outro na certeza que tenho a idade que meu rosto e documentos mostram, sem nenhuma interferência de cirurgias ou apliques, não condeno quem faça, mas quero meu rosto com linhas iguais meus textos, mostrando toda expressão que traz meu coração. Só não vou garantir os cabelos brancos e a tal cordinha nos óculos, terei cabelos coloridos, batom vermelho quando puder usar novamente, cabelos curtinhos, corte moderno. Se algum dia meus netos quiserem saber por que os colegas têm avós sem rugas, diferentes de mim, responderei que as minhas têm histórias para contar, cada uma delas , afinal sou escritora, contadora de histórias, Professora Maluquinha. E contarei para eles a história das linhas de expressão criadas por Dona Vida e daremos muitas risadas, choraremos juntos e ensinarei para eles que nossa caminhada são compostas por ciclos. Gratidão a todos que celebraram comigo o início de um novo ciclo.

Março de 2022.