Search
Anuncio #1
Anuncio #2
Anuncio #3

Sete Lagoas supera epidemia de arboviroses: casos abaixo de 100 notificações por três semanas consecutivas

Cidade celebra redução drástica nos casos de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti após medidas intensivas de controle e prevenção.

Sete Lagoas comemora um marco importante na saúde pública: há mais de um mês, a cidade não enfrenta mais o surto de dengue, zika e chikungunya que assolava a região. Desde o fim de maio, os casos totais de arboviroses têm se mantido consistentemente abaixo das 100 notificações por semana, indicando um controle efetivo da situação.

O Decreto 7.245, de 27 de maio de 2024, oficialmente revogou a situação de emergência em saúde pública devido às arboviroses, declarada pelo Decreto 7.174, de 30 de janeiro de 2024. De acordo com os dados mais recentes da Vigilância Epidemiológica, na última semana (02 a 08 de junho), foram registrados apenas sete casos de dengue e quatro casos de chikungunya. Esses números contrastam significativamente com os picos registrados anteriormente, demonstrando uma queda expressiva nas incidências das doenças.

A superintendente geral de Promoção e Vigilância em Saúde do Município, Maitê Rodrigues, relata os números totais desde o início do surto: “Até o momento, tivemos 16.245 casos suspeitos de chikungunya, com 3.260 resultados positivos e 15 óbitos. Para a dengue, foram 12.337 casos suspeitos, com 866 casos confirmados e quatro óbitos registrados. Não houve nenhum caso positivo de Zika entre as 44 notificações.”

Além das condições climáticas favoráveis com o fim do período chuvoso, a Prefeitura intensificou as ações preventivas, incluindo mutirões de limpeza, contratação de agentes de combate a endemias e implementação de cronogramas de bloqueio em áreas de risco. Essas medidas foram fundamentais para conter a propagação das arboviroses e evitar novos surtos na cidade.

Sete Lagoas agora se prepara para manter a vigilância e continuar com as ações de prevenção, garantindo que a população esteja protegida contra os riscos dessas doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

Anuncio #1
Anuncio #2
Anuncio #3