Glaucoma e hipertensão ocular

07/01/22 - 09:07

Dra. Bárbara Soeiro Monteiro, especialista em oftalmologia,  destaca a importância do exame rotineiro para evitar o glaucoma e a hipertensão ocular
Dra. Bárbara Soeiro Monteiro, especialista em oftalmologia, destaca a importância do exame rotineiro para evitar o glaucoma e a hipertensão ocular

Dra. Bárbara Soeiro Monteiro

O glaucoma é uma doença neurodegenerativa caracterizada por lesão progressiva do nervo óptico e que pode causar perda de campo visual. O sítio primário da lesão glaucomatosa são as células ganglionares da retina, particularmente seus axônios (fibras nervosas).

Hipertensão ocular, história familiar de glaucoma, uso crônico de corticóide e idade avançada estão entre os fatores de risco para a doença, que representa uma das maiores causas de cegueira no mundo.  

Corticóides sob a forma de spray nasal são frequentemente prescritos para tratamento de rinite alérgica e indivíduos que fazem uso contínuo desse tipo de medicação devem ser acompanhados por um oftalmologista devido ao risco de hipertensão ocular associada.

A melhor forma de prevenir a ocorrência e/ou a evolução do glaucoma é o exame oftalmológico rotineiro, que permite a identificação de fatores de risco e/ou do dano glaucomatoso em estágios precoces, quando ainda é possível prevenir o comprometimento visual significativo, na maioria dos casos.  

A avaliação oftalmológica deve incluir, além da refração (medida do “grau”, como é popularmente conhecida), o exame do fundo de olho e a medida da pressão intraocular. A maior parte dos hipertensos oculares não apresentam sintomas e têm tal condição diagnosticada durante o exame de rotina. 

imagem